FANDOM


Houve uma grande comoção em casa com o primeiro telefonema da Duda, a
pagar, de Paris. O primeiro telefonema desde que ela embarcara, mochila nas
costas (a Duda, que em casa não levantava nem a sua roupa do chão!), na
Varig, contra a vontade do pai e da mãe. Você nunca saiu de casa sozinha,
minha filha! Você não sabe uma palavra de francês! Vou e pronto. E fora. E
agora, depois de semanas de aflição, de "onde anda essa menina?", de "você
não devia ter deixado, Eurico!", vinha o primeiro sinal de vida. Da Duda, de
Paris.
- Minha filha...
- Não posso falar muito, mãe. Como é que se faz café?
- O quê?
- Café, café. Como é que se faz?
- Não sei, minha filha. Com água, com... Mas onde é que você está, Duda?
- Estou trabalhando de "au pair" num apartamento. Ih, não posso falar mais.
Eles estão chegando. Depois eu ligo. Tchau!
O pai quis saber detalhes. Onde ela estava morando?
- Falou alguma coisa sobre "opér".
- Deve ser "operá". O francês dela não melhorou...
Dias depois, outra ligação. Apressada como a primeira. A Duda queria saber
como se mudava fralda. Por um momento, a mãe teve um pensamento louco.
A Duda teve um filho de um francês! Não, que bobagem, não dava tempo.
Por que você quer saber, minha filha?
- Rápido, mãe. A criança tá borrada!
Ninguém em casa podia imaginar a Duda trocando fraldas. Ela, que tinha
nojo quando o irmão menor espirrava.
- Pobre criança... - comentou o pai.
Finalmente, um telefonema sem pressa da Duda. Os patrões tinham saído, o
cagão estava dormindo, ela podia contar o que estava lhe acontecendo. "Au
pair" era empregada, faz-tudo. E ela fazia tudo na casa. A princípio tivera
alguma dificuldade com os aparelhos. Nunca notara antes, por exemplo, que
o aspirador de pó precisava ser ligado numa tomada. Mas agora estava uma
opér "formidable". E Duda enfatizara a pronúncia francesa. "Formidable." Os
patrões a adoravam. E ela prometera que na semana seguinte prepararia uma
autêntica feijoada brasileira para eles e alguns amigos.
- Mas, Duda, você sabe fazer feijoada?
- Era sobre isso que eu queria falar com você, mãe. Pra começar, como é que
se faz arroz?
A mãe mal pôde esperar o telefonema que a Duda lhe prometera, no dia
seguinte ao da feijoada. - Como foi, minha filha. Conta!
- Formidable! Um sucesso. Para o próximo jantar, vou preparar aquela sua
moqueca.
- Pegue o peixe... - começou a mãe, animadíssima.
A moqueca também foi um sucesso. Duda contou que uma das amigas da sua
patroa fora atrás dela, na cozinha, e cochichara uma proposta no seu ouvido:
o dobro do que ela ganhava ali para ser opér na sua casa. Pelo menos fora
isso que ela entendera. Mas Duda não pretendia deixar seus patrões. Eles
eram uns amores. Iam ajudá-la a regularizar a sua situação na França.
Daquele jeito, disse Duda a sua mãe, ela tão cedo não voltava ao Brasil.
É preciso compreender, portanto, o que se passava no coração da mãe
quando a Duda telefonou para saber como era a sua receita de suflê de
chuchu. Quase não usavam o chuchu na França, e a Duda dissera a seus
patrões que suflê de chuchu era um prato típico brasileiro e sua receita era
passada de geração a geração na floresta onde o chuchu, inclusive, era
considerado afrodisíaco. Coração de mãe é um pouco como as Caraíbas.
Ventos se cruzam, correntes se chocam, e uma área de tumultos naturais. A
própria dona daquele coração não saberia descrever os vários impulsos que o
percorreram no segundo que precedeu sua decisão de dar à filha a receita
errada, a receita de um fracasso. De um lado o desejo de que a filha fizesse
bonito e também - por que não admitir? - uma certa curiosidade com a
repercussão do seu suflê de chuchu na terra, afinal, dos suflês, do outro o
medo de que a filha nunca mais voltasse, que a Duda se consagrasse como a
melhor opér da Europa e não voltasse nunca mais. Todo o destino num suflê.
A mãe deu a receita errada. Com o coração apertado. Proporções
grotescamente deformadas. A receita de uma bomba.
Passaram-se dias, semanas, sem uma notícia da Duda. A mãe imaginando o
pior. Casais intoxicados. Jantar em Paris acaba no hospital. Brasileira presa.
Prato selvagem enluta famílias, receita infernal atribuída à mãe de
trabalhadora clandestina, Interpol mobilizada. Ou imaginando a chegada de
Duda em casa, desiludida com sua aventura parisiense, sua carreira de opér
encerrada sem glória, mas pronta para tentar outra vez o vestibular.
O que veio foi outro telefonema da Duda, um mês depois. Apressada de
novo. No fundo, o som de bongos e maracas.
- Mãe, pergunta pro pai como é a letra de Cubanacã!
- Minha filha...
- Pergunta, é do tempo dele. Rápido que eu preciso pro meu número.
Também houve um certo conflito no coração do pai, quando ouviu a
pergunta. Arrá, ela sempre fizera pouco do seu gosto musical e agora
precisava dele. Mas o segundo impulso venceu:
- Diz pra essa menina voltar pra casa. JÁ!

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória